viernes, 17 de enero de 2014

EL PROBLEMA CON LA MÚSICA MODERNA – DR. DAVID ALLEN WHITE





A música como tóxico - O Problema da Música Moderna

Este artigo é sobre vício, um vício que se apoderou da maioria das pessoas hoje. Para dar uma ideia de quão penetrante esse vício é, simplesmente considere o fervor místico com o qual a maioria dos jovens espera o lançamento de um novo álbum de sua "banda" favorita.  A música moderna, para muitos de nossos jovens, é o centro do seu ser. Ela define quem elas são e dá-lhes um núcleo de crença, significando que eles não gostam muito da fé e da Igreja, são simplesmente indiferentes em relação a estas. Eles são apáticos em relação aos aspectos mais importantes da vida, não são, no entanto, apáticos à música moderna.

Como professor, eu me lembro que as duas únicas coisas sobre as quais eu não poderia brincar com meus alunos era seus carros e "sua música". Namoradas, família, aparência, qualquer coisa - sem problema. Mas falar dos carros e de "sua música" era ultrapassar totalmente os limites. Eles se levantavam em fúria, prontos para defender estes elementos de sua existência. Para isso eles lutavam. Sua "música" tem-nos em suas garras.

É importante compreender que esse controle não vem das letras. A maioria dos ataques ou críticas de música rock concentra-se no fato de que as letras são muitas vezes abomináveis. E isso eu não nego. Mas nós já sabemos que as letras costumam ser ruins. O que me preocupa é a música em si. Não é a letra que pega os jovens tão fortemente hoje. As letras não criam tanta paixão, devoção e dependência. É a música em si.


Quando comecei a ensinar, eu era um estudante graduado da Universidade de Indiana. Depois de anos de estudo, eu estava muito animado para ensinar minhas primeiras aulas. O arranjo era que um professor sênior daria uma única aula e, em seguida, aqueles de nós que eram professores assistentes teriam pequenos grupos de discussão durante a semana. O tema desses cursos de calouros, no entanto, mudou de semestre a semestre, ano após ano. Todos os professores seniores poderiam escolher o que queriam para dissertar naquele semestre. Alguns escolheram "Romance", outros escolheram "Drama”, e outros ficaram com "Poesia Britânica do Século XIX."

Fui designado para um professor sênior muito peculiar que parecia ser uma vítima da década de 1960. Estávamos em 1970. Ele me disse que o tema de sua aula durante o semestre, seria "A Letra do Rock Moderno". Eu fiquei horrorizado. Claro, eu tinha crescido com música, eu estava familiarizado com isso. Eu não estava, contudo, disposto a ensinar sobre isso, eu sabia que não havia nada a dizer e, portanto, nada a ensinar. Assim, a minha primeira tarefa dada por este professor era transcrever as letras de uma pilha de registros para que fossem duplicadas e distribuídas.

Eu achava que a música seria de Bob Dylan ou dos Beatles ou algum outro desses artistas populares que tinham algum pequeno crédito por sua originalidade.
Não. Eu me encontrei diante de gravações de bandas como Commander Cody and His Lost Planet Airmen, Stoneground, Dan Hicks and His Hot Licks. No espaço de alguns dias, tentei transcrever as letras. Eu quase enlouqueci. Após horas e horas sentado em frente da minha vitrola, percebi que muitas das letras eram simplesmente incompreensíveis. Você simplesmente não conseguia entender o que elas estavam dizendo. Agora, claro, as gravadoras geralmente imprimem as letras com os álbuns, não importa quão doente e repugnante as palavras são, porque entre a enunciação ruim e o nível de ruído, não se espera discernir as palavras reais.

Eu comecei a me perguntar se o problema se estendia para além das letras. E isso foi muito antes de eu ser um cristão, muito menos um católico. Eu era um ateu que adorava música. Mesmo assim achei ofensiva a música moderna. Eu sabia até então que grupos de "rock cristão" eram simplesmente ofensivos, mesmo se as letras fizessem referência a Deus, Jesus, ou o amor de Deus. Havia um problema que cobria toda a gama do "rock".

Muito mais tarde, depois que eu tinha entrado para a Igreja, comecei a olhar para este assunto mais a sério. Eu vi todos os meus alunos totalmente enredados nessa música. Isso significava mais para eles do que o seu Deus, suas famílias e seus amigos. Então me propus a descobrir o que estava acontecendo.

O que sabemos sobre a música? Em certo sentido, a música tem algo em comum com a Igreja Católica tradicional: é universal. A música é absolutamente universal. As pessoas falam dela como sendo a linguagem universal - e tal comentário não é falso. Todas as pessoas, em toda parte, respondem à música.

Também é uma coisa do espírito. Cientificamente, a música é composta por vibrações no ar saídas de um instrumento, seja uma voz humana ou um violino ou um conjunto de tambores. Estas vibrações atingem os nossos ouvidos e causam uma reação. Mas como a maioria das coisas científicas, essa é apenas uma explicação técnica e, portanto, apenas uma explicação parcial. Ela só nos diz um pouco. Há muito mais na realidade do que simplesmente a ciência da mesma. O cerne da questão é o seguinte: essas vibrações desencadeiam uma vibração sensível dentro de nós que não é meramente física. A música é a mais espiritual de todas as artes. É a menos dependente do mundo material. A música é de alguma forma uma ponte entre este mundo e o outro mais alto. Nós todos sentimos isso às vezes. Quem quer que tenha a sorte de ter assistido a uma Missa Solene com um Coral Gregoriano sabe que não há nada que seja tão emocionante ou que penetre tão profundamente na alma como a glória absoluta dessa música.

Portanto, não estou apenas afirmando que a música é universal, eu estou afirmando que a música afeta a alma de uma forma que outras artes não podem. Sabemos, por experiências recentes que a boa música pode fazer as plantas crescerem mais abundantemente, que a boa música pode fazer com que as vacas deem mais leite, que Mozart pode ajudar os alunos a melhorar sua pontuação nas provas. Sabemos também que a música tem propriedades curativas. Para aqueles doentes ou perturbados, ou aqueles que têm alguma outra dificuldade na vida, a música pode ser um meio de libertação verdadeira e um método de cura. O dramaturgo está certo: "A música tem encantos para acalmar o peito selvagem".

Devemos, então, no entanto, considerar o oposto: a música tem encantos para inflamar o peito e torná-lo mais selvagem. Como isso funciona? Tanto Santo Tomás quanto a tirinha do Snoopy podem nos ajudar a entender. Tomás diz que a alma tem faculdades diferentes, a alma pode perceber as coisas por meio de uma variedade de maneiras diferentes. E como essas faculdades apreendem o que é dado a ela pelos sentidos, o conhecimento chega até nós. Santo Tomás diz ainda que a alma tem seus próprios apetites, como o concupiscente e o irascível. A alma pode conhecer e a alma pode ser inflamada com certas paixões, ela pode ser movida, para o bem ou para o mal.

Há uma deliciosa tirinha de Snoopy desenhada há muitos anos. Lucy van Pelt corre para o músico Schroeder, o menino que toca o seu piano de brinquedo, enquanto  ele está saindo da loja de discos, carregando um novo álbum debaixo do braço. Lucy pergunta o que ele comprou. Ele responde: "Acabei de comprar uma nova gravação da Quarta Sinfonia de Brahms!" Ela pergunta o que ele vai fazer com isso. "Estou indo para casa ouvi-la." Ela pergunta se ele quer dizer que ele vai assobiar junto com ela. "Não. Vou ouvi-la." Ela pergunta se ele vai dançar. "Não. Vou ouvi-la. "Ela pergunta se ele vai marchar ao redor da sala enquanto ele joga. Ele diz: "Não. Vou ouvi-la". Quando ele vai embora, Lucy diz: "Eu nunca vou entender esses músicos".

Mantendo Santo Tomás - e Snoopy - em mente, podemos dizer que a música apela a nós em três níveis: mente, coração, e paixões inferiores. Os níveis correspondem aos três elementos básicos da música, dos quais toda a música é composta: melodia, harmonia e ritmo. Estes três elementos correspondem aos três "centros" de cada ser humano. Deus, que ordenou e criou o universo, nos projetou com esses "centros" em uma determinada ordem para nos dizer algo sobre nós mesmos. Como tudo no universo de Deus é ordenado e hierárquico, cada um de nós como uma criatura humana foi concebida por Deus de forma ordenada e hierárquica em nosso ser. O intelecto, a mente, está no topo e, portanto, deve governar tudo abaixo. O coração, sempre considerado o centro das emoções, está localizado no centro do nosso ser. A sede das paixões inferiores está devidamente localizada abaixo. Vemos isso na forma como nós ficamos de pé e também podemos ver a natureza da hierarquia no projeto – o intelecto deve governar as emoções, o intelecto e as emoções devem dominar as paixões inferiores. A mente deve disciplinar o coração, e a mente e o coração devem disciplinar as paixões inferiores. Quando todos três trabalham em ordem, temos um ser humano coerente e equilibrado.

A música, por necessidade, deve funcionar da mesma maneira. Também tem três elementos. Melodia é primária, assim como a mente humana. Harmonia é do coração. Ritmo desperta as paixões mais baixas. Se fizermos uma pequena turnê através da música, sabemos que a primeira grande música que o homem ocidental criou veio da Missa: o canto gregoriano, concebido para auxiliar, enquanto a Missa estava sendo celebrada. Toda grande arte ocidental vem da Missa, a criação mais gloriosa não concebida pelo homem, mas, dada por Deus. É uma grande obra de arte, a partir da qual fluem outras obras de arte. Uma dessas emanações era a boa música.

O que é o Canto Gregoriano? É nada mais nada menos do que melodia pura. Isso significa que ele é pura mente - puro pensamento. A razão que nos toca tão profundamente é porque é a grande melodia que vai diretamente para a nossa alma. É puro. Houve uma grande controvérsia na Igreja no tempo de Palestrina, um grande compositor do século XVI. Ele introduziu a polifonia na música de igreja, mais de uma linha melódica operando simultaneamente. Isto resultou em nota equilibrada contra nota, o tom definido contra o tom: harmonia. Ele despertou um debate enorme justificável na Igreja, a energia emocional adicional que a harmonia produz era algo apropriado para música de igreja? Palestrina acrescentou um novo elemento à música eclesiástica. A música de Palestrina é magnífica, mas havia Padres da Igreja que, em sua sabedoria, que entenderam que tal música significava uma profunda mudança na natureza dos sons que acompanhavam o culto. Palestrina deu à Igreja a grande música, mas também iniciou um processo de mudança que tem continuado a partir desse momento, o que levou à praga das guitarras que têm afligido o culto moderno.

Com o tempo, o ritmo começou a desempenhar um papel mais importante tanto na música sacra quanto na secular. Com o ritmo sendo a estrutura do esqueleto, o pulso de energia, os compositores criativos usavam-no
​​para gerar novos sons e um novo dinamismo em suas composições. Um terremoto sacudiu, eventualmente, o mundo clássico. Foi causado por outro grande compositor que levou ritmo e levantou-o do seu papel de apoio como o esqueleto da música. O grande Ludwig von Beethoven elevou o ritmo a um papel mais dominante na estrutura musical. Na sua Quinta Sinfonia, ele usa um motivo rítmico para compor toda uma grande obra musical. Eu amo essa sinfonia, é uma obra-prima da mente do homem, uma obra de grande gênio. Mas, nessa composição, o Beethoven romântico e revolucionário tomou o ritmo e o fez dominar a um grau muito maior, ele deslocou o equilíbrio entre os elementos musicais. E assim começou uma nova era na história da música.

Os românticos muitas vezes colocam o coração acima da cabeça. Aqui estava um compositor romântico colocando a paixão (ritmo) acima de tudo. O ritmo começou a se tornar uma potência mais importante e definidora de composição musical. A melodia começou a ser atenuada. A melodia em si não é fácil criar. Não é fácil sentar e escrever uma melodia memorável, que exige trabalho duro, suor e muito pensamento (ou inspiração divina). Harmonia é mais fácil, pois nota alinhada com nota naturalmente irá provocar uma resposta emocional. E qualquer idiota com um pedaço de pau pode criar ritmo: tudo que você precisa fazer é bater em algo.

Os elementos da música, que antes tinham uma ordem, tornaram-se desordenados. Com o tempo, começamos a ver na esfera clássica uma expansão do ritmo como primário, levando eventualmente à feiura da maioria da música clássica moderna. Um concerto sinfônico típico nos dias de hoje geralmente tem três partes: uma abertura linda para começar, uma grande obra sinfônica para concluir, e algum pedaço medonho de música moderna ensanduichada entre o que o público deve suportar para alcançar a recompensa da parte final do programa. Muitas vezes é de um dos homens que dispuseram de melodia em conjunto, Schoenberg, Webern, Alban Berg, ou uma de suas legiões de discípulos. Chamaram o seu sistema de sistema de doze tons. A melodia reconhecível se foi; a harmonia se foi com ela. É simplesmente uma coleção de progressões matemáticas pré-determinadas ou notas aleatórias com ritmos inovadores. O ritmo tomou posse da música.

A mesma coisa aconteceu na música popular. O ritmo, que deve ser o servo da música e que não é censurável em si, quando em seu devido lugar, foi coroado o rei. A melodia desapareceu, a harmonia também e o ritmo triunfou. Caso você tenha qualquer dúvida sobre isso, vá morar em um prédio moderno. As letras que vêm do apartamento ao lado não fazem suas paredes tremer, e sim a batida insistente do Rei Ritmo. O servo que usurpou a posição do monarca faz o barulho que o mantém acordado à noite.

A música rítmica poderosa tinha o seu lugar. A maioria das músicas de marcha é fortemente ritmada pela boa razão de que sua intenção sempre foi a de incitar os homens que marchavam para a batalha. A música dominada pelo ritmo inflama as paixões. Esta é uma paixão necessária para os homens que vão à guerra, não é uma coisa boa para os jovens que vão sair para socializar em um sábado à noite. Os ritmos da música rock (e agora o rap e o hip hop) são despertados de uma forma doentia, porque eles não podem ser liberados corretamente. As paixões inflamadas precisam de um canal e nós sabemos quais canais os jovens encontram hoje. Essas paixões, uma vez despertadas e liberadas, levam a consequências tristes. Não é nem calmante nem curativo. Ninguém deixa um concerto de quarteto de cordas com intenção de cometer pecado. Nós sabemos que os pecados se seguem a partir de tantos shows de rock moderno. Esses pecados se conectam diretamente com a música, especialmente porque a música, a música desordenada, a batida incessante martelando sem fim, inflama as paixões. O jovem que deixa um concerto de rock ou um clube de música ao vivo em um sábado à noite não está pensando em assistir à Missa no domingo de manhã; seus impulsos que foram alimentados com a música são muito mais primários.

Não importa o nome do grupo, pois seu nome é legião. Qualquer idiota que pode pegar uma baqueta ou ligar uma guitarra elétrica pode se chamar de "músico". É uma espécie de democracia perversa na Música. Como resultado, hoje a música "pop" consiste em gritar, bater, grunhir e fazer um barulho ensurdecedor. Mas, fundamentalmente, o denominador comum é a batida. A melodia está morta e a harmonia está enterrada. Com a morte de harmonia, o vínculo emocional entre as notas, as noções básicas de dança desaparecem também. A dança folclórica se foi, o minueto ficou na memória e a valsa, uma vez considerada questionável por causa de sua intimidade, só sobrevive na sala de concertos. Agora "dançar" é pular e bater e esbarrar grosseiramente. Como poderia ser de outra forma? Quando as paixões inferiores são desencadeadas, a selvageria é inevitável. A batida impera. E é ouvida e pulsada por horas e horas e horas. O homem moderno simplesmente se entrega a ela e se torna um escravo de suas paixões. E os produtores de discos e os promotores e os artistas sem talento faturam bilhões de dólares.

A adoração do selvagem está entrando em todos os campos da atividade humana hoje, incluindo música e arte. É simplesmente uma rejeição da arte ocidental. É uma rejeição da Fé Católica. Todo o pensamento ocidental e arte vêm da Igreja Católica; isto é simplesmente um fato histórico. A fim de destruir isso, os inimigos da fé estão voltados para a selvageria e o primitivismo. Toda a arte tornou-se desordenada e a natureza humana segue isso - a verdade torna-se mentira, o bem transforma-se em mal, a beleza transforma-se em feiura.

E os chamados "artistas" que criam os falsos substitutos são admirados não por seu talento, mas adorados pela sua celebridade; eles se tornaram deuses, especialmente para os jovens.

Novamente esse é um movimento que começou com os grandes românticos, a época em que a desordem artística começou a se tornar onipresente. O artista tornou-se uma divindade substituta que deve ser adorada em vez de Deus. Vê-se logo em Franz Liszt, o grande compositor e mestre pianista que se tornou a loucura da Europa. As mulheres o seguiam e atiravam-se para ele. É o equivalente das mulheres jovens de hoje que jogam suas chaves de hotéis no palco. A paixão pode dominar, mas a pobre alma atrofiada ainda está lá, gritando por ajuda, ansiando por sentido. O desejo de ser uma celebridade ou estar associado com a celebridade é uma tentativa de encontrar um significado. O "artista" de rock, o músico, pode tornar-se uma divindade substituta, juntamente com os atletas, as celebridades do cinema; as pobres almas perdidas estão procurando desesperadamente uma conexão com algo ou alguém mais alto e maior. Infelizmente, elas vão buscar em todos os lugares errados e adoram todos os falsos ídolos. É patético, mas é inevitável, dada a desordem da natureza humana. É a consequência lógica de um longo processo. O desordenamento da música ajudou a criar uma desordem da personalidade humana.

Então, o que pode ser feito? Enfrentamos um problema enorme. Nós somos contra a inversão da ordem. E nós sabemos quem está na raiz de tal desordem, o primeiro que disse non serviam. Foi quem primeiro tentou virar o universo de cabeça para baixo, que continua seu trabalho, inclusive no campo da música. Assim, como você pode combater contra isso? Não é fácil.

A crítica é em grande parte inútil, já que muitos estão simplesmente entrincheirados nisso. Eles são banhados por isso, hora após hora. Fogo deve ser combatido com fogo. Em primeiro lugar, orar sem cessar por seus filhos e qualquer outra pessoa viciada em música moderna. É a coisa mais importante que você pode fazer. Em um nível prático, o problema é um desencadeamento de ritmo. Ele deve ser combatido com outro ritmo, o ritmo corretamente ordenado dentro da boa música séria. Se o jovem responde ao ritmo, então a música com grande propulsão rítmica é útil. A música barroca é uma grande ajuda a este respeito: Vivaldi, Bach, Handel, etc. A música barroca é definida por um grau de ritmo energético, poderoso, mas o ritmo colocado dentro de uma ordem musical propriamente dita, e, portanto, humana. Mesmo a juventude moderna irá responder às Quatro Estações ou ao coro Aleluia.

Dê-lhes Beethoven, um gênio musical. Eles vão adorar a Quinta Sinfonia - e deveriam. É uma maravilhosa peça de música. Sim, vendo a coisa no seu todo, há um problema que Beethoven desencadeou. Mas se alguém tiver que escolher entre Beethoven e rock, a escolha é óbvia. O Bolero de Ravel também pode ser útil, é em certo sentido, um estudo em ritmo incessante, mas talvez a introdução possa levar um ouvinte jovem para outras peças de Ravel que são mais variadas e gloriosamente belas.

Temos que apresentar a beleza para essas almas. Elas estão apartadas do belo. É o belo que cura e eleva. Essas pobres almas danificadas precisam de cura e precisam ser elevadas. E como com qualquer vício, o processo de superação da compulsão é lento e difícil. A paciência, além de grande virtude, é uma necessidade. Talvez depois de um longo processo de cura, os ouvidos curados e a alma refrescada possam se sentar, o intelecto acima do coração, acima das paixões, e realmente desfrutar e apreciar um concerto de piano de Mozart, onde a música é ordenada, e, como Lucy desejava, podemos assobiar juntamente com a melodia e dançar com a harmonia encantadora e marchar com os ritmos de melhoria de vida de Mozart. Ou podemos simplesmente ser como Schroeder, ouvir com alegria e agradecer a Deus pelo grande dom da gloriosa música.

------------------------
O autor: Dr. David Allen White ensinou Literatura Universal na Academia Naval de Annapolis, Maryland, por quase três décadas. Ele ministrou muitos seminários no St. Thomas Aquinas Seminary em Winona, Minnesota, incluindo aquele em que este artigo se baseia.
Ele é autor de The Mouth of the Lion e The Horn of the Unicorn.Traduzido por Andrea PatríciaFonte : http://www.angelusonline.org/index.php?section=articles&subsection=show_article&article_id=2885
Fonte : 
http://borboletasaoluar.blogspot.com.br/2012/06/o-problema-da-musica-moderna.html